Encontro alucinante com Danislau Também

1 de agosto de 2013

 
Num entrecortante momento de lucidez paro para escrever sem parada … cabeça voando como sempre … mas dessa vez centrado numa tarde pacata e cheia de coisas pra fazer devidamente com os pés no chão e a cabeça voando.
Nesse momento as guitarras cortantes do primeiro álbum do Velvet Underground enchem de alegria os belos momentos que vivi no passado remoto. Noite em que passei uma madruga totalmente fora da casinha … primavera dos dois mil e algo … quando simplesmente passava dias e dias sem dormir e sem perder por um segundo sequer, la ternura. “Essas guitarras de velvet não parecem facadinhas?” foi o que uma querida amiga me disse certa vez.
O Velvet me traz o que eu posso chamar de lembrança e sentimento eterno. Basta eu colocar o disco para tocar que volto para o inverno de 1997. Sinto o corpo como sentia naquele ano, sinto a mente como sentia naquele ano. Uma visão das mais lindas e transgressoras  que guardo com todo o amor. Música é Alucinação. Visões e alumbramentos são pra sempre.
Viver em estado de alumbramento é cair no abismo num piscar de olhos. Dias desse estava passando o tempo caminhando pela city quando decidi escutar a canção do Stones  “Time Waits For No One” do álbum “It’s Only Rock’n’Roll”. Entrei em transe imediatamente e tudo fez sentido. Encontrei no passado quem tinha que encontrar … me lancei para dias adiante … amei, sonhei, fui, voltei, entreti, entrevi, caminhei com os pés descalços e quando a música acabou estava em estado transcendido subindo a Rua Augusta a 10km por hora.
Coloquei a música pra rolar pelo menos mais uma cinco vezes … continuei andando pela cidade … visões distorcidas de transeuntes alucinados … caos dos bons … Paulista sentido MASP … meia volta volver … Paulista sentido Conjunto Nacional … Augusta sentido Cinesesc … Cinesesc Coffe … e depois de passar um bom tempo plenamente alterado fui ter com a biografia do Ozzy sentado ali no Café do Cinesesc.
Foi quando o filme Laranja Mecânica terminou … as pessoas comentando o filme. Nesse momento digo que não pude deixar de apreciar a garotada que saia vibrando da sala de cinema e que certamente estavam vendo o clássico pela primeira vez na tela grande! Entre o Ozzy e os transeuntes saídos da sessão. Uma saudação camarada me fez voltar ao planeta surrealidade!
Era o mestre Danislau Também da banda Porcas Borboletas. Ele também estava na sessão. Desandamos a conversar e outro transe estava estabelecido. Dessa vez entramos em ritmo alucinante no próprio café do Cinesesc.
Mais um Coffe diga-se de passagem! Brindamos! A cabeça a 300km por hora tentando controlar o fluxo criativo de idéias… e claro que nós dois não fizemos questão nenhuma de controlar fluxo nenhum. Nessas horas camaradas, a cabeça que se exploda!
Ai falamos de música, de musas … pausa para dizer que agora rola I’ll Be Your Mirror” a voz da Nico é intrigante demais, me dá um frio inexplicável na barriga … uma paixão não por alguém … mas uma paixão mesmo pela música … sou apaixonado por esse disco … esse  álbum é um dos grandes amores da minha vida.
E ai continuamos falamos de música, de musas, de filmes, de Laranja Mecânica, de Holy Motors … e ai ficamos um bom tempo andando pela cidade em transe no caos cotidiano do início da noite e conversando, versando, pirando, falando de música, musas, filmes, livros, vida … e dai continuamos em transe andando pela cidade falando de música, livros, musas, vida, transe, birita, seres extraterrestres, pinguins, pássaros … e dai continuamos em transe andando pela cidade falando de música, sexo, musas, vida, transe, seres extraterrestres, pinguins, cachorros, entidades urbanas, faunos, livros …e dai conti…
segue um outro encontro aluciante com Danislau – Esse foi no Carnaval e o Moita também estava presente!

[embedplusvideo height=”446″ width=”559″ editlink=”http://bit.ly/13z37hx” standard=”http://www.youtube.com/v/n0rzWzVzlrw?fs=1″ vars=”ytid=n0rzWzVzlrw&width=559&height=446&start=&stop=&rs=w&hd=0&autoplay=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep8315″ /]

… e dai que encontrar o Danislau, o Banzo, o Moita e toda da galera da banda Porcas Borboletas é como encontrar os camaradas do Cérebro pra fazer música. A gente compõe no incosciente coletivo total … a música está lá … depois é só gritar ela pra fora! Bom demais!
Aliás, eles acabaram de lançar um baita disco que pode ser conferido e baixado aqui ó:
http://www.porcasborboletas.com.br/

0 Comments

  • danislau

    pô, tatá, que delícia de texto. vc é sempre esse cara: verdadeiro embaixador das delícias. admiração máxima, é sempre com o máximo prazer q te leio, te ouço, te vejo, te encontro. e a felicidade é plena, pq sábado nos veremos de novo. lá, te dou um forte abraço como agradecimento pela sua confiança e amizade.

  • Orisveldo

    massa tava viajando com vcs nesse texto pareçe quando a galera sai para deslumbrar!

  • trz

    surreal misterrr!!!

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.